sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Manoel de Barros II

Nuvens me cruzam de arribação.
Tenho uma dor de concha extraviada.
Uma dor de pedaços que não voltam.
Eu sou muitas pessoas destroçadas.

2 comentários:

Bruno Batista disse...

O poeta é aquele para o qual o mundo como está não é o suficiente. Abs, meu caro.

I. Luiz Andrade disse...

(Olá, peço descupas pelo atraso da resposta quantoao blog ALA. Não tenho outro endereço para a resposta, então respondo aqui mesmo... O blog, infelizmente foi desativado. Lamentavelmente, digo, pois era realmente um grande espaço a respeito do autor. Espero que seja reativado. Abraço)